quarta-feira, 16 de novembro de 2011

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Dicas: lanchinhos saudáveis

Essa dica é para os maiorzinhos. Toda criança passa por uma fase em que fica meio chatinha pra comer entre os dois e quatro anos. É muito comum ver mães dizendo que o filho comia de tudo e de repente não gosta de nada. Não se preocupe, vai passar. Mas insista sempre em um cardápio saudável. Abaixo vão algumas dicas e receitas de comidinhas (disfarçadamente) saudáveis para os pequenos.

1 - Tudo no tamanho dele:
As crianças nessa idade gostam de comer sozinhas. E preferem que os utensílios (copo, prato, colher) sejam feitos para suas mãozinhas pequenas. A mesma coisa vale para a comida. A criança vai achar mais agradável comer porções pequenas e pedaços que caibam em sua boca.

2 - Diminua o volume:
Os pequenos se distraem facilmente com qualquer coisa, como televisão, rádio, telefone ou uma conversa alheia. Ajude seu filho a se concentrar mantendo um ambiente tranquilo na hora das refeições.

3 - Pense em cores vivas e formas divertidas
Assim como os adultos, as crianças comem primeiro com os olhos. Cozinhe alimentos de cores variadas. Você pode também usar forminhas para biscoitos para dar formas divertidas à comida.

4 - Leve seu filho para a cozinha
Ignore a bagunça um pouco. Ajudar no preparo das refeições incentiva o pequeno a experimentar sabores novos e comer alimentos saudáveis.



Picolés verdes

Bata em um liquidificador duas bananas bem maduras, um abacaxi, 2-3 xicaras de espinafre e água. Coloque em forminhas e leve ao freezer. Sucesso garantido.

Bolinhos de brócolis

Misture 2 xícaras de brócolis cozido no vapor picadinho, 1 xícara e meia de queijo ralado, 3 ovos, farinha de rosca e tempero a gosto. Faça pequenos bolinhos e asse por 25 minutos, virando-os na metade do tempo.

"Nuggets" saudáveis

Corte um peito de frango em cubos, mergulhe em iogurte desnatado e passe na farinha de rosca. Asse por aproximadamente 10 minutos

quinta-feira, 30 de junho de 2011

O futuro

Quero ser grande!

Dia desses estava eu à toa pensando no futuro, em como minha filha vai ser linda e graciosa (claro) e... será que minha filha vai ser baixinha?? Eu sou baixinha, minha mãe é menor que eu e minha avó era menor ainda. Seguindo essa tendência, ela deve ser mais alta que eu (ufa, deve dar pra alcançar a última prateleira do mercado). Ultimamente, observando principalmente meus alunos, percebo que os adolescentes estão ficando a cada ano maiores. As crianças de nove anos são maiores que eu e calçam 37! Menininhas que calçam 37, um horror (sem ofensas a quem tem pé grande)! E a tendência do brasileiro é ficar mais alto, em média cinco centímetros a mais a cada geração . E isso tem a ver com o desenvolvimento do país (principalmente com a melhora da alimentação - apesar do fast food hoje ingerimos mais vitaminas e minerais que há 100 anos e há menos desnutrição), logo nos países mais desenvolvidos, a população costuma ser mais alta, o contrário ocorrendo nos países menos desenvolvidos. 
E a pergunta que fica é: Será que daqui a duas gerações vamos ver por aí vovós de 1,80? Medo!

terça-feira, 28 de junho de 2011

segunda-feira, 27 de junho de 2011

13 coisas que ninguém te contou sobre ter um bebê (Parte 2) #maternidadereal

(Leia a primeira parte aqui!)


8 – Não importa o que você pensa, você vai transformar morrinhos em montanhas

Mesmo nas menores escolhas – entre tipos de papinha, essa ou aquela roupinha – você se sentirá como se estivesse decidindo como lidar com dívida pública. Isso é normal. Você está cansada e, convenhamos, existem escolhas demais por aí. Escolhas mais importante, como quando e onde vacinar, serão ainda piores, pois como mãe você está sempre hiper consciente de que as escolhas que você faz por seus filhos irão afetá-los para sempre e você morre de medo de fazer as escolhas erradas.

9 – As menores coisas às vezes irão te irritar ou deixar com raiva.

Seu filho pode te fazer dar um chilique simplesmente porque fez uma “escolha” que você não aprova, como não tirar a soneca quando deveria, estragando toda a rotina dele (sua).

10 – Você nunca vai sair de casa na hora em que esperava

Não importa quanto tempo leva pra você se arrumar, triplique esse tempo. Via de regra, seu filho ou vai fazer um cocô explosivo quando você estiver passando pela porta ou você vai estar a três quilômetros de casa quando perceber que esqueceu a bolsa de fraldas. Bebês são ótimos em bagunçar sua rotina, então não se deixe abater – tente remar com a maré sempre que possível.

11 – As pessoa irão oferecer ajuda – diga sim todas as vezes.

Se você é o tipo de pessoa que odeia pedir para os outros fazerem qualquer coisa por você, agora é a hora de mudar sua personalidade. Seus amigos e parentes irão se sentir bem sabendo que te ajudaram e, claro, você precisa desse auxílio. Não gaste aquela uma hora ou duas de tempo livre escrevendo cartões de agradecimento ou devolvendo presentes que você não quer. Tire uma soneca. A não morda a mãe que te alimenta – se o ângulo no qual sua sogra segura a mamadeira te irrita, respire fundo e saia de perto para não ver (e correr o risco de se intrometer).

12 – Mesmo que você não seja do tipo competitivo, você será atraída por comparações

Mesmo que seja bacana – e importante – ter um grupo de apoio de outras mães com crianças da mesma idade da sua, a constante comparação a respeito do desenvolvimento te fará sentir inferior. Se o seu filho ainda não rolou e o resto das crianças do parquinho estão virando cambalhotas, você sem dúvida se sentirá mal a respeito. Atrasos na fala são particularmente difíceis de lidar, pois você inevitavelmente chegará a conclusões sobre deficiências de aprendizado futuras ou pior. Tente evitar esse tipo de conversa mudando o assunto para algo positivo – algo que você sabe que ambos os seus filhos fazem e que é ótimo – ou algo neutro, como o fato de que você ainda faz xixi com frequência. Então saia da sala pra fazer xixi.

13 – Ficar sozinha de repente se torna a coisa mais maravilhosa de todos os tempos

Você ama seu bebê e seu marido. Você se sente sortuda e abençoada por tê-los em sua vida. Você está cansada deles. Tente se afastar dos acontecimentos de vez em quando, seja tomando um banho ou fazendo uma caminhada breve, ou fazendo uma vitamina pra você mesma e bebendo enquanto folheia uma revista enquanto seu bebê foi passear com aquele parente ou amigo para quem você disse sim. Um tempo sozinha é a chave para sua sanidade. Provavelmente você não fará massagens luxuosas nas primeiras semanas, mas alguns momentos de solidão para se lembrar de que você ainda é você – e não apenas mãe ou esposa – te darão a recarga que você precisa ainda de voltar para a trincheira.

Curtindo um pôr do sol com o papai. Delícia!